Streaming: como utilizar as métricas na prática?

By
Streaming: como utilizar as métricas na prática?


Com base nos dados obtidos é possível conseguir melhores estimativas de cobertura e impactos, ainda na fase do planejamento das agências e anunciantes.

Por Fernanda Nardo.


A audiência no streaming cresce a cada dia, com público diversificado e que ouve rádio em diferentes plataformas. Uma das alternativas para impactar os ouvintes de maneira positiva no ambiente digital é ter em mãos dados qualificados sobre a audiência, conteúdo. Dessa maneira, é possível adequar a plástica e otimizar a programação. Além disso, as métricas também permitem incluir com agilidade os dados e informações relevantes voltados às campanhas publicitárias, ainda na fase de planejamento ou durante a campanha, com a possibilidade de ajustes de maneira rápida se for necessário. 

Isto é possível quando a emissora conta com um serviço de auditoria e relatórios, no entanto, é preciso entender quais métricas poderão ser obtidas e como elas serão utilizadas para otimizar os resultados, conquistar clientes e monetizar no digital.

De acordo com Thiago Fernandes, diretor da Nextdial, empresa que realiza a auditoria dos impactos do serviço de streaming, as métricas possibilitam entregar relatórios qualificados em tempo real, para as agências e anunciantes, além da agilidade para medir o impacto do áudio da campanha e, se for o caso, fazer os ajustes necessários.

“Os dados detalhados possibilitam análises com a criação de targets de ouvintes por faixa horária, período, mapa de calor (demonstra a faixa horária de maior ou menor audiência), local de audiência, dispositivo, agregador, site e app”, diz.

Segundo Fernandes, incluir o mapa de calor no mídia kit demonstra de forma simples e objetiva como se comporta a audiência ao longo dos dias e faixa horária. “Quando aliado a informações de audiência e alcance e aos dados demográficos obtidos, tanto pelas pesquisas de campo quanto do próprio Google Analytics, a rádio demonstra conhecimento sobre o perfil e os hábitos dos seus ouvintes”, afirma.

Ele explica que essas informações permitem incluir melhores estimativas de cobertura e impactos, ainda na fase do planejamento das agências e anunciantes. “Essa ação pode contribuir inclusive para a rádio fechar negócio no dial”, destaca o diretor.

Conheça as métricas disponíveis na plataforma da Nextdial:

  • Média de Sessões Ativas (AAS): representa o número médio de sessões humanizadas (cada acesso dos ouvintes) dentro período de tempo analisado.
  • Total de Horas de Audição (TLH): número total de horas que os ouvintes escutaram a programação da rádio dentro do período de tempo relatado.
  • Alcance (CUME): número cumulativo, não determinado pela soma, de ouvintes diferentes que ouviram a rádio por, no mínimo,1 minuto dentro do intervalo de datas analisado.
  • Audiência (AS): quantidade de sessões humanizadas ativas dentro do intervalo de datas analisado – independentemente de quando a sessão começou – daqueles ouvintes que passaram, no mínimo, 1 minuto ouvindo a rádio.
  • Sessões Iniciadas (SS): quantidade de sessões humanizadas daqueles ouvintes que começaram a ouvir a rádio dentro do intervalo de datas analisado e que passaram, no mínimo, 1 minuto ouvindo a rádio. 
  • Tempo Médio de Audição (ATSL): número médio de horas de duração de uma sessão humanizada dentro do intervalo de datas analisado.

O post Streaming: como utilizar as métricas na prática? apareceu primeiro em AERP.



Link da fonte